Quebrando as Regras – Histórias de Fraudes em Casinos

fraudes em casinos

Durante séculos, não são só os jogadores que sonham em ganhar alto, mas também aqueles que gostam da adrenalina de fazer algo proibido praticam fraudes em casinos. Os golpes nos casinos são elaborados a partir de todo o tipo de ideia e, quando combinados com as novas tecnologias, resultam em planos realmente criativos. Tal como acontece em assaltos a bancos e a museus de arte, as fraudes em casinos também são uma fonte de inspiração na cultura pop. Basta olhar para a popularidade de filmes como Onze Homens e Um Segredo, entre outros.

Onze Homens e Um Segredo

 A verdade é que a grande maioria dos jogadores que fraudam casinos são pegos mais cedo ou mais tarde e enfrentam as consequências legais de suas ações. No entanto, todos os tipos de lendas urbanas circulam sobre fraudes de casino e os jogadores surgem com várias maneiras criativas para ganhar.

Psicólogos dizem que todos os jogadores já pensaram em enganar o casino pelo menos uma vez. Aparentemente, é a natureza humana para tentar burlar o sistema. Além disso, a ideia de ganhar muito dinheiro pode fazer com que algumas pessoas façam coisas erradas por pura ganância.

Agora, vamos dar uma olhada em algumas das tentativas mais interessantes utilizadas para fraudar casinos nos últimos anos e nas medidas de segurança que os casinos implementam para se proteger contra fraudes. Lei mais sobre crimes em casinos no artigo Casos de Roubos de Casinos.

Bandidos de Ontem e de Hoje

Os casinos não precisam enganar os jogadores porque eles contam com a vantagem da casa, que é a margem de lucro que o casino tem mesmo quando o jogador vence. Os ganhos nos jogos de azar são aleatórios, mas mesmo assim sempre há alguém que tenta trapacear o casino ou tirar vantagem dos outros jogadores. Há muitas formas de fazer isso, que vão de desde trocar fichas e marcar cartas até o uso de aparelhos tecnológicos para descobrir o valor das cartas de outros jogadores, tais como transmissores de rádio, microcâmeras e lentes especiais.

Mas se você acha que os bandidos do século 21 só usam tecnologia avançada, está completamente enganado. Há alguns anos, três coreanos fraudaram o Foxwoods Casino Resort em Connectcut, nos EUA, levando para casa 900 mil dólares. Durante duas semanas, eles frequentaram o casino, onde trapacearam no bacará utilizando estratégias do século 19.

hold-out

O aparelho Hold-Out (Popular Mechanix Magazine, 1933).

O grupo de fraudadores de casino utilizou um dispositivo conhecido como Hold-Out, que permite esconder objetos dentro da manga e substitui-los por outros objetos no momento em que é ativado. Mágicos frequentemente utilizam o Hold-Out para esconder algo e fazer um novo objeto aparecer.

No Foxwoods Casino, Su Young Guy substituiu as cartas enquanto o seu comparsa Wookyung Who escondeu-as dos olhos do dealer. As câmeras de segurança do casino detectaram o crime e identificaram os homens baseados nos passaportes coreanos que eles usaram como identificação no estabelecimento. Mais tarde, a alfândega prendeu os dois dos culpados quando voltaram novamente aos Estados Unidos de visita e levaram-nos a julgamento.  Os outros dois vigaristas, no entanto, conseguiram escapar e provavelmente continuam na Coreia.

hold out

Aparelho Hold-Out

Fraudes em casino – Mais do que os olhos podem ver

Alguns vigaristas de casino preferem fazer uso das tecnologias mais avançadas. Tome por exemplo os bandidos italianos que conseguiram fraudar o Casino Barrière Les Princes, em Cannes, e roubar 62 mil euros. Eles usaram uma lente de contato especial que lhes permitiu ver tinta invisível nas cartas. Assim, eles poderiam ganhar jogos como o pôquer marcando cartas baseadas em seus valores, provavelmente com a ajuda de empregados do casino. No entanto, mesmo o melhor plano falhou. A polícia conseguiu descobrir o esquema, prendendo Stefano Ampollini, o líder o grupo de vigaristas. Ampollini comprou lentes de um fabricante chinês por 2 mil euros cada par.

Curiosamente, dois anos mais tarde, Bruce Koloshi, dos Estados Unidos, tentou o mesmo truque no Mohegan Sun Casino, em Connecticut. Koloshi alegou que precisava de dinheiro para a fiança para outro vigarista que havia fraudado o L’Auberge Casino, em Luisiana. Acho melhor este prisioneiro esperar por este dinheiro sentado na cadeia.

Já a próxima fraude de casino envolve gente de alto escalão, tal como um alto comandante das forças nucleares norte-americanas.

O vice-almirante Tim Giardina utilizou fichas marcadas para tentar trapacear no pôquer. Giardina enfrentou a prisão, passou por constrangimentos e enfrentou as consequências jurídicas por ter sido pego fraudando o casino. Parece que os planos deste vigarista de casino foram por água abaixo.

Um crime de casino que parece ter saído de um filme de Hollywood aconteceu no Crown Casino da Austrália. Um grupo roubou 33 milhões de dólares apostando alto no pôquer em uma das salas de jogos mais elegantes do casino, reservada para jogadores VIP.

As salas VIPs proporcionam aos jogadores conforto e privacidade excepcional , além do mais alto nível de segurança, que conta com câmeras por todos os lados. Porém, a equipe conseguiu invadir o sistema de segurança do casino e passou a monitorar as cartas dos jogadores.  Em seguida, eles transmitiam o valor das cartas para um dos jogadores via um auscultador. A princípio, os bandidos conseguiram escapar, só que o Crown Casino notou que um jogador ganhou 32 milhões jogando pôquer, o que levantou suspeitas. Imediatamente depois, a equipe de segurança do casino identificou que uma pessoa não autorizada teve o acesso das câmeras na sala VIP.

crown casino austrália

Sala VIP de pôquer do Crown Casino na Austrália.

Um modo muito mais primitivo de golpe aconteceu durante o 2014 Borgata Winter Open no mais luxuoso casino de Atlantic City. Um dos participantes, Christian Lusardi, usou 160 fichas falsas no valor de 800 mil dólares. Quando os outros jogadores começaram a suspeitar da fraude, o vigarista jogou as fichas na privada do seu quarto de hotel. O casino foi notificado depois que as fichas entupiram o vaso sanitário e Lusardi foi preso.

royal flush

Um homem foi pego após entupir a privada enquanto estava tentando se livrar de fichas falsas. Fazer cagada é fácil, limpar é que são elas.

Enquanto isso, na Polônia, três russos tentaram fraudar um casino, mas as chances de eles se darem bem era como uma roleta russa.  Os homens eram bem habilidosos no pôquer, mas isso não era suficiente para eles, que trapacearam no pôquer com a ajuda de um radiotransmissor, fones de ouvido e microcâmeras. Enquanto a dupla de criminosos jogava, um terceiro informava o valor das cartas dos outros jogadores remotamente.  Porém, não levou muito tempo para o casino desvendar o esquema.

Fraudes em casino e tecnologia de ponta

Você vai achar surpreendente a quantidade de aparelhos que foram inventados ao longo do tempo apenas para os jogadores levarem vantagem nos casinos. Em adição aos aparelhos já mencionados, há uma lista sem fim de itens que podem ajudar no resultado das máquinas de jogos. Ainda há outros malandros que usam cuidadosamente aparelhos ocultos que cabem em seus bolsos.

Embora a contagem de cartas seja tecnicamente legal, muitos casinos proíbem a prática. Existe até mesmo um app para dispositivos móveis que pode ser utilizado para contar cartas no blackjack. Outro método para contar cartas consiste em um aparelho vibrador que se assemelha a um alarme de carro e que cabe no bolso de tão pequeno. Durante o jogo, os jogadores podem acompanhar as cartas de valor alto ou baixo com este aparelho. Vibrações longas ou curtas indicam ao jogador se é melhor pegar outra carta ou parar.

app de contagem de cartas

App para contagem de cartas.

Trapacear com um dado viciado é uma estratégia tão antiga quanto o próprio jogo. Um dado viciado ou que tenha um peso dentro faz com que o dado caia no número que o jogador quiser.

dado viciado

Dado viciado

Até o Google Glass não conseguiu escapar das fraudes em casinos. Mesmo que ainda esteja em fase de testes, os casinos já suspeitam que vigaristas podem utilizar o aparelho no futuro. Os casinos de Nevada já baniram os seus clientes de usarem o Google Glass dentro de seus estabelecimentos. Mas como o Google Glass poderia ajudar alguém a trapacear no casino? Através do uso da função de gravação ao vivo e de vídeo streaming, os jogadores podem, por exemplo, trocar informações sobre cartas durante um jogo.

Depois de ler essas e outras histórias, podemos concluir que ainda de posse de tecnologias de ponta, os vigaristas são pegos mais cedo ou mais tarde. Nada melhor do que ser um jogador honesto, que pode dormir em paz e com a consciência tranquila todos os dias.

Lutando contra as fraudes em casinos

Os casinos também utilizam tecnologia avançada para se protegerem contra fraudadores. Um dos maiores casinos de Las Vegas, o Bellagio, tem mais de duas mil câmeras conectadas a dúzias de monitores. A gravação de tudo o que acontece nas salas de jogo permite à equipe de vigilância observar as atividades no casino, frame por frame. Os casinos também utilizam sistemas de segurança avançados para ajudar na proteção contra ataques cibernéticos como o que aconteceu no site Las Vegas Sands.

sala de monitoramento no casino

O “olho no céu”.

Saiba mais como é o trabalho da equipe de vigilância de um casino através do artigo Empregos nos Casinos.

Exceção à regra

Em dezembro de 2013, os americanos John Kane, de 55 anos, e Ander Nester, de 42, descobriram um bug numa máquina de videopôquer muito popular da IGT chamada Game King. Ao pressionar alguns botões antecipadamente, os seus ganhos se multiplicavam automaticamente por dez. Os homens tiraram vantagem da descoberta, ganhando mais de 500 mil dólares em diferentes casinos. Eles foram presos sob a acusação de fraude e de terem praticado um ataque cibernético.

Depois de um longo processo, a corte de Las Vegas ficou do lado da dupla. A corte decidiu que utilizar um erro já existente em um software não é uma fraude, e sim um problema do software do jogo. Após a audiência final, o advogado de um dos absolvidos afirmou que os homens de comportaram de forma injusta, mantendo o segredo para si.

ACERCA DO AUTOR

“Saber desistir. Abandonar ou não abandonar – está é muitas vezes a questão para um jogador. A arte de abandonar não é ensinada a ninguém. E está longe de ser rara a situação angustiosa em que devo decidir se há algum sentido em prosseguir jogando. Serei capaz de abandonar nobremente? Ou sou daqueles que prosseguem teimosamente esperando que aconteça alguma coisa?” (Clarice Lispector)

2 Comentários

  1. NOAH

    Esse aparelho de batota hold-out não conhecia e é inacreditável como uma coisa tão rudimentar ainda foi utilizada há tão pouco tempo. O que me parece é que o crime não compensa porque os casinos hoje em dia têm um exército de recursos para detetar fraudes e quando acontecem… Os culpados dificilmente escapam!

  2. DanDan

    Nada como jogar limpo! Dados viciados, contagem de cartas e tirar partido de bugs… Não! O verdadeiro jogador tem a noção do risco e assume-o. Faz parte do jogo ganhar e perder.

Deixe uma resposta

X